Sem cura para Covid-19, autoridades ainda têm que achar “fórmula” para fazer população aderir ao isolamento social

0
15
Fotos: Chico Ribeiro

 Sem ainda uma medicação eficaz para acabar com o problema da pandemia do Covid-19, autoridades que têm o dever de tratar  da saúde dos pacientes,  ainda têm que encontrar uma fórmula de convencimento junto à população para mante-se em isolamento social, que hoje é a única maneira de conter o avanço da doença.

Apesar de visível crescimento no números de infectados e também de mortes pelo País, avança também, na contramão, o índice de desobediência ao simples hábito que pode salvar vidas: ficar em casa.

A taxa média do isolamento social no Brasil nesta terça-feira (28.4) foi de 49,2%. Pesquisa do Datafolha realizada no começo dessa semana mostra atual cenário de divisão do brasileiro quando o assunto é o distanciamento social. O número de pessoas que apoiam o retorno ao trabalho de quem está fora do grupo de risco é de 46%, e dos que querem a permanecia do isolamento geral é de 52%. No início de abril, a mesma pesquisa chegou a registrar 37% e 60%, respectivamente.

Três Lagoas, que já registros três óbitos, nesta terça-feira (28.04): a vida das pessoas continua dentro da normalidade em tempos de pandemia

Nesta terça-feira, o Brasil passou a China em número de vítimas fatais da doença. Em pouco mais de um mês desde os primeiros casos em 23 de março, já são 5.083 mortos.

Diariamente o Governo do Estado vem pedindo a contrapartida da população sul-mato-grossense na tarefa de dificultar a expansão do vírus, porém, dados do monitoramento mostram que a orientação não se ecoa e os números apresentam quedas diariamente no quesito “ficar em casa”, mas ganham níveis maiores no tema “casos confirmados”, que hoje já são 249 em Mato grosso do Sul, acréscimo de 3,8% em 24 horas.

Mais uma vez o Estado amarga a penúltima posição no ranking do isolamento nacional. A taxa de pessoas que mantiveram o distanciamento foi de 42,7%. Entre os municípios, Bela vista continua dando bom exemplo e se mantém no topo dos melhores, com índice superior ao considerado adequado pelas autoridades, 80,5%. Na outra ponta, com pior adesão também continua o município de Jardim, com apenas 35,2% de isolamento social.

Municípios como Três Lagoas, Paranaíba, Baytaporã, Campo Grande e Dourados, que já registraram mortes pelo Covid-19, não estão fazendo o dever de casa. A maioria nem mesmo alcança a média do Estado. Apenas Baytaporã ultrapassa a casa dos 42,7, mas está muito longe da taxa considerada adequada de 60%. (Veja quadro ao lado).

Diante deste cenário, o Governo do Estado poderá adotar medidas diferenciadas para conter o crescimento da doença nas regiões onde não acontece o isolamento social de forma efetiva.